17 de dez de 2012

Você sabe


A vida é feita de imprevistos que distorcem seus conceitos: do certo e do errado, do sim e do não.
Eu não quero.
Eu quero.
Eu não quero querer.
Muito mais difícil lutar contra mim quando você sabe exatamente como fazer.
E se na manhã seguinte você não se lembrar, ou simplesmente fizer de conta que nada aconteceu, vou te seguir, farei o mesmo.
Não me importo, pois sou a maior prova viva de que dilemas tem consequências infinitas e improváveis.
Seu cheiro em mim numa manhã de domingo...
E cada palavra dita ao pé do ouvido que era exatamente o que eu queria ouvir.
Meio certo, meio errado, meio não me importo.
Afinal, o veneno já foi derramado.
Então suas marcas ficam na memória e a luta entre meu corpo e minha mente continua: a de querer mais mesmo não querendo querer nada.
Não podendo querer nada.
Deixa estar. Deixa ser o que é - o que eu não sei. Deixa eu carregar isso comigo assim, como mais uma na coleção das minhas noites improváveis.