30 de nov de 2009

Sinais.

São quase duas da manhã e eu, diferentemente de milhares de pessoas, ainda não peguei no sono. Sei que é tolice, mas eu ainda penso em você. É como uma necessidade da minha alma pensar em você, nem que sejam sombras difusas em minha mente. Queria saber se você realmente se importa com isso. Mas é óbvio que não. Você nem lembra de mim. Nem deve imaginar que eu estou escrevendo isso agora. Quando eu publicar, se você ler, é capaz de nem notar que eu escrevi isso pra você.

“É mais do que parece ser...
Além de mim e de você...
Será se me entende?
Será se você sente sinais a chamar?”

     Não. Óbvio que não. E eu aqui só perco tempo, achando que se eu não te esqueço, há um motivo. E claro que há. Eu sou um idiota.
     Assim como você.


d-.-b : Sinais - Liah

27 de nov de 2009

Senhor Distante:

Olá, Senhor Distante. Como você vai? Como andam as coisas? E suas angústias, os seus medos, os seus segredos? Sinto falta dos nossos tempos áureos, quando ríamos e falávamos dos assuntos mais idiotas. Por você, sinto um sentimento inédito, de grandes proporções, que eu nunca senti por ninguém.
Chama-se saudade.
Para o R.

25 de nov de 2009

Era.

Não posso tentar ser o que eu não sou. Sou fraco demais para remar contra a maré. As ondas baterão em mim, e me levaraão de novo até a paria. A minha praia, você.
Por quê? Não podia ter simplesmente não existido? Não podia ser como os outros, afinal? Por quê? Por que eu tenho que sentir isso?
Era tudo. E ainda me perguntam: "como você pôde fazer isso"?
E eu respondo: "ele era o cara mais legal do mundo".
Era.

23 de nov de 2009

V.


Víbora,
Voraz,
Vingança,
Verde,
Você.

Vasta,
Vacilante,
Velha,
Verdadeira,
Você.

Vem,
Vai,
Volta,
Você.

Você.


Para o V., é claro.

21 de nov de 2009

Você de volta.



Por mais que eu tente esconder, por mais que eu tentasse asfaltar a sua ausência, ela continua aqui, presente. Não pude me desfazer daquele urso de pelúcia. Não pude deixar de olhar aqueles casais na rua e imaginar que poderíamos ser nós dois. Porque eu te amei de verdade, e eu sei que você me amou também. E tudo que eu mais queria era você de volta. Somos mais maduros agora. Temos novas experiências. Podemos resistir. Podemos não amar, pelo menos por enquanto.
   Não vai ser qualquer distância que me fará esquecer que você existe. Não vai ser esses milhares de quilômetros que vão me fazer não lembrar de tudo que falei, tudo que senti... Poderia estar do outro lado do mundo. Poderia estar em outro planeta. Eu estaria ali, do seu lado, do jeito que eu pudesse estar.
   Talvez você tenha esquecido de mim. Aliás, é bem provável que tenha. Talvez você tenha encontrado um novo amor. Aliás, é bem provável que tenha. Eu não ligo, não ligo. Eu só quero ter a chance de ter você de volta em minha vida. Perder tempo falando besteiras, contando o que acontece do outro lado do país, ver você fazendo arte. Você é um artista nato, a começar pelo vermelho vivo que suavemente pintou em meu coração.
   Não lhe peço que fique comigo pra sempre, só lhe peço mais uma chance de te ver sorrindo, nem que seja por uma estúpida câmera. Se pudesse ver que estou de joelhos por você...
   Você foi o primeiro, e nunca será esquecido. Nem que você queira. Poderoso. É isso que você é. Pois mesmo de longe, mudou meu mundo. Você mudou tudo, você...
   Você será pra sempre aquele urso de pelúcia que eu beijava toda noite antes de ir dormir.
   Você será pra sempre aquele que minhas amigas amam, aquele pelo qual elas tem inveja de mim.
   Você será pra sempre aquele cara legal que eu achei um dia, numa madrugada na internet.
   Você será aquele que, como eu, nunca foi no show de sua banda preferida.
   Você será aquele que tem a mesma banda preferida que eu.
   Você será aquele que mora longe.
   Você será aquele cara doce, com o um dos sorrisos mais lindos que eu já vi.
   Você será aquele cara de nome estranho, assim como eu.
   Você será aquele por quem eu me apaixonei, totalmente.
   Você será o primeiro de todos.
   Você será meu primeiro amor.


Para o A.





17 de nov de 2009

Algum dia...

Sentado na escada. Ouvindo uma música, enquanto obrigava as lágrimas a saltarem, a não ficarem presas dentro dele.
     “Mas tudo era mentira, você se foi da minha vida e me perdi, e me perdi.”
     Seus amigos diziam que ele estava estranho, mas não. Ele só pensava na vida.
     “Me faz mal se penso em você. Estou triste, mas estou de pé. Ainda que tenha me esquecido, sei que mais cedo ou mais tarde vai entender quanto te amei.”
     Ele só precisava chorar. Chorar para ficar bem. Chorar para voltar a sorrir.
     “Algum dia, uma manhã, sentirá que te faço falta.”


Escolhido pelo Raphael, meu leitor assíduo. Muito obrigado!


d-.-b: Algún Dia - RBD

15 de nov de 2009

Gaiola.

Como um pássaro na janela, a avistar o exterior.
Dentro da gaiola, se sentindo inferior.
Do que adianta sua beleza e sua cor
Se não pode o pássaro mostrar o seu valor?

(03/04/2009)

10 de nov de 2009

Um pouco de amor e bom senso.

Inevitável e voraz é o sentimento chamado amor. Ridículo e incapaz parece o bom senso diante dele. Dois sentimentos que são como tesouros: perdidos pelo tempo, difíceis de se encontrarem em sua forma bruta, natural; sempre procurado por todos, mas cada vez mais difícil de se encontrar; pode estar amaldiçoado; às vezes, pesado demais para você carregar. Mas se depois de toda a busca você conseguir encontrá-los e guardá-los no mais íntimo de seu ser, terá uma bela recompensa: a felicidade eterna.

9 de nov de 2009

Crepúsculo.

Enquanto ela admirava o pôr-do-sol, ele veio andando cuidadosamente e tapou os olhos dela com as mãos.
- Quem é? – Ela perguntou.
- Não sou ninguém. Cruzei mares, estradas, montanhas, mas não existo de fato.
- O que é você, então? De onde você veio?
- Não importa de onde eu vim, de quem eu vim. Eu posso ser maior que a Terra, romper as fronteiras do Universo, e mesmo assim ser invisível. Apenas sinta.
- Sentir o quê? Que tipo de sentimento é você? O único que eu queria...
- Pois eu sou a resposta. Sou aquilo que você esperava. Fisicamente, estou longe. Mas se me mantiver vivo dentro de você, estarei aqui pra sempre, não tenho prazo de validade. Não me peça explicações, pois sou inexplicável. Apenas ame.
As mãos se afastaram, ela sentiu o vento bater de novo em seu rosto. Abriu os olhos. Não havia ninguém lá, mas inexplicavelmente sentia seu coração pulsar como nunca em sua vida.

8 de nov de 2009

Chuva e glória.


   A chuva caía, e isso deixava as ruas meio desertas. Só ele, com seu guarda chuva, enfrentava a natureza. Andava por ruas bonitas. Bonitas e desertas.


   Alguém o seguia. Naquela chuva, mais alguém se arriscou a sair. Ia andando pelas ruas que ele andava, fazia as curvas que ele fazia, andava mais rápido se ele apertava o passo.


   Ele estava ficando com medo, e tentava fugir. Fez uma curva e entrou em uma daquelas ruas bonitas, uma em que ele nunca tinha reparado. Ela não tinha saída. E o estranho se aproximava...


   Ele se virou, jogou seu guarda chuva ao chão. Sentiu a água em seus cabelos. E gritou:


   — O que você quer?


   O estranho se assustou com a reação, e respondeu calmamente:


   Agora a chuva parecia só um brinde, um enfeite ao beijo dos dois.

   — Só deixo a chuva cair sobre mim, só te sigo por ruas e vielas bonitas que ninguém mais anda, eu só estou aqui, só, somente pra dizer que eu te amo. E que enfrentaria os piores temporais, as piores tempestades, só pra ter você ao meu lado.

4 de nov de 2009

Coração Empoeirado.

No meu guarda-roupa
Entre esqueletos e lembranças
Há uma caixa.

Naquele papelão rasgado
Entre cartas e fotos inúteis
Num canto isolado
Há um coração.

O meu coração,
Que fora arrancado
Quando eu ainda era um jovem
Que acreditava no amor.

Desgastado e corroído pelo tempo,
Meu coração está gelado.
Vou deixá-lo dentro da caixa,
Guardado, perdido num canto.

Coração perdido, coração partido
Perdido como ele estou.
Se algum dia me achar,
Leve meu coração contigo,
Talvez eu consiga sentir amor.

2 de nov de 2009

Cinema.

São apenas risos, caretas e imaginação. E daí? Eu gosto assim.
Gosto de imaginar a escuridão. A única coisa que ilumina a sala é a tela à nossa frente.
As silhuetas todas concentradas no quese passa lá na frente. Eu não. Eu olho para o lado, para você.
Eu sorrio. Sinto uma felicidade descomunal. Algo quer explodir no meu peito. Afago seu rosto, sigo o contorno de seu cabelo.
Não tenho a mínima pressa, nem a mínima ideia de como me comportar. Seu olhar encontra o meu. Tento mergulhar dentro de você.
Desajeitado, me aproximo e encosto meus lábios nos seus. Deixe esse momento durar pra sempre, por favor; nem que seja dentro de mim.


Para o Yago.